Mobilidade > Smartphones

Como o Google pretende eliminar, de vez, o seu telefone

Todo smartphone tem uma parte 'telefone' e outra 'computador'. O Google trabalha para eliminar a primeira para substitui-la por algo muito melhor

03 de Julho de 2017 - 13h45

O Google está trabalhando duro para tornar os telefones obsoletos. Mas a empresa não admitiria isso. E eles não querem que eu diga isso. Eles ainda têm que fazer certo com as operadoras de telefonia móvel que dão suporte e vendem aparelhos Android.

Ao se livrar do telefone como o conhecemos, o Google está no lado direito da história e também do lado da sua empresa. Isso por que o mundo do pós-telefone é um mundo com comunicação de voz de melhor qualidade, melhores serviços de segurança e telefonia que funcionam melhor do que os aplicativos de comunicação de hoje.

Mas o que é um smartphone, afinal?

Todo mundo está falando sobre o 10º aniversário do iPhone, lançado no dia 29 de junho de 2007. E essa parece ser uma boa data, assim como qualquer outra, para dissecar o que um smartphone realmente é.

Quando Steve Jobs apresentou o iPhone no palco, ele disse que se tratava de três produtos revolucionários: um iPod, um telefone celular e um dispositivo de comunicação de internet.

A descrição do iPhone por Jobs é compreensível apenas se você lembrar que no momento a Apple não havia ainda mencionado a chegada da App Store. 

Agora vemos smartphones com clareza. O "iPod" e "o comunicador via internet" que Jobs  descreveu são apenas aplicativos. Atualmente, há milhares deles na App Store que reproduzem música e permitem comunicações pela internet e, bem, que fazem todos os tipos de coisas.

Um smartphone, então, não se resume a essas três coisas. Ele é, na verdade, duas: um "telefone" e um "computador". A parte "telefone" usa as redes de voz das operadoras de dispositivos móveis para lidar com chamadas e mensagens de texto. A parte "computador" possui um sistema operacional, aplicativos e a capacidade de se conectar à internet através de uma rede de dados de banda larga móvel ou via Wi-Fi.

Assim como a parte "computador" dos smartphones consumiu a câmera digital, o reprodutor de mídia, o rádio, o leitor de ebooks, a calculadora, o gravador de voz, o scanner, o GPS, a bússola, a lanterna, os videogames, o despertador, o temporizador, a agenda e as dezenas de outras coisas, ele também devorará a parte "telefone" do seu aparelho de bolso.

A supremacia da faceta "computador" sobre a parte "telefone" é mais facilmente vista no mundo dos aplicativos de mensagens, que são, na maioria dos aspectos, muito melhores do que a tradicional função para mensagens de texto. E, em qualquer caso, as mensagens SMS e MMS agora viajam facilmente por Wi-Fi e não precisam mais da rede de voz.

A única justificativa restante para a continuidade da parte telefone de um smartphone é que a rede de voz, geralmente, é mais confiável e de maior qualidade do que as opções baseadas na internet.

Mas é apenas uma questão de tempo antes que as chamadas baseadas na Internet sejam melhores do que as de rede de voz. E o Google está tentando acelerar esse processo.

O Project Fi é a entrada do Google para o mundo pós-telefone
 
O Google anunciou na última semana a compatibilidade do G Suite com o Project Fisua rede wireless lançada nos EUA por meio de uma parceria com as operadoras locais.
 
Embora ótimo para pequenas empresas ou pequenos departamentos, o recurso não está pronto ainda para corporações. O plano é limitado a seis usuários. Mas isso indica um provável apoio futuro em escala empresarial para o Fi no G Suite. Mais sobre isso abaixo.
 
O Project Fi é o operador de rede virtual móvel (MVNO) do Google. Ele representa uma ideia revolucionária: telefones que alternam automaticamente chamadas de voz e conexões de dados entre diferentes operadoras, e entre redes de voz e VoIP em Wi-Fi. Ele faz isso usando uma estrutura de antena construída especificamente e um cartão SIM personalizado, além de software especial. Esse hardware especial é o motivo pelo qual você pode usar o Google Fi apenas nos telefones Nexus 6, Nexus 5X, Nexus 6P, Pixel e Pixel XL, embora essa programação esteja prestes a mudar.
 
A conta do Project Fi no Twitter prometeu um "novo dispositivo compatível com o Fi a um preço intermediário de um dos nossos parceiros no final deste ano". O Google não vende mais o Nexus 6 e pretende eliminar o suporte para o Nexus 6P e 5X no próximo ano.
 
Quando o Google Fi foi lançado há dois anos, ele ganhou uma reputação por oferecer preços flexíveis e baixos (US$ 10 por GB) e roaming internacional fácil e barato (via operadora T-Mobile nos Estados Unidos). 
 
O Fi permitiu aos usuários "pausar" e "retomar" o serviço e o pagamento. Os usuários gostam do poder e flexibilidade de suas várias operadoras e um suporte Wi-Fi transparente. Como bônus, as chamadas Wi-Fi são encaminhadas automaticamente através de uma rede virtual privada (VPN) segura.
 
No entanto, desde então o mundo mudou. Hoje em dia, todas as operadoras oferecem planos ilimitados e de baixo custo, de modo que os consumidores estão "prejudicando" o Project Fi.
 
O lançamento do Project Fi pelo Google levantou a pergunta óbvia: por que o Google gostaria de ser um operadora? Afinal, o Google é essencialmente uma companhia de internet, não um sistema do telefone.
 
A resposta é clara: a missão da gigante de tecnologia é transmitir a comunicação para um mundo pós-telefone.
 
O Google oferece um cartão SIM Project Fi gratuitamente, desde que você seja um cliente Fi. Isso significa que você pode encomendar mais cartões SIM (até nove cartões grátis) e colocá-los em seu laptop, iPad, iPhone ou qualquer dispositivo e usá-lo apenas para dados, com o custo cobrado na conta principal. Esses dispositivos integram, por definição, o mundo pós-telefone, porque com os dados gratuitos do Fi, eles só podem fazer chamadas e enviar textos pela Internet; Não há acesso ao sistema de telefone celular.
 
O projeto SIM adicional permite que o Google veja como os clientes usam telefones e tablets sem acesso a uma rede de voz móvel.
 
Parte da missão do Google é a transição de telefones celulares, saindo do SMS e MMS, para entregar Rich Communication Services, ou RCS. (O chefe de comunicações do Google, Nick Fox, disse no mês passado que o Google está trabalhando para levar o RCS ao Projeto Fi.)
 
A segunda parte é aquela que dará assistência a esse mundo pós-telefone, começando pelo Voice over Long-Term Evolution (VoLTE).
 
Essas transições podem ser inevitáveis, mesmo sem o envolvimento do Google. Mas elas também podem não ser.
 
Tudo sobre a telefonia é complicado. O Project Fi permite que o Google tente testar e experimentar, facilitando os usuários do Fi com delicadeza e devagar através da transição de toque e retorno para um mundo que não usa as redes de voz móveis.
 
E o maior evento na transição pós-telefone é o VoLTE.
  
Em janeiro, alguns usuários do Project Fi perceberam que suas chamadas estavam sendo tratadas pelo VoLTE. Então, em fevereiro, o Google anunciou silenciosamente que tinha começado a testar o VoLTE "com um subconjunto de usuários do Project Fi".
 
O VoLTE é uma abordagem altamente otimizada e de melhor desempenho do que o VoIP é em relação ao LTE. E, para esse assunto, oferece chamadas de melhor qualidade do que as chamadas de rede de voz de hoje.
 
Outra enorme vantagem é que o VoLTE permite transmissão de vídeo, transferência de arquivos e outros recursos diretamente do discador nativo de um telefone. O VoLTE também é a solução para a divisão atual entre as operadoras dos EUA entre as redes CDMA e GSM.
 
Com o Project Fi, o Google pode ajustar e experimentar para descobrir a melhor maneira de obter gradualmente mais usuários fazendo e recebendo chamadas via Wi-Fi e VoLTE e menos através das redes de voz sem fio.
 
 O Futuro de Fi é a telefonia IP para empresas
 
Dentro de dois anos, acredito que o Project Fi estará disponível para empresas de todos os tamanhos, incluindo empresas, como parte essencial do G Suite.
 
Ele dará aos clientes uma alternativa de telefonia, incluindo chamadas VoLTE de alta qualidade provisionadas por várias operadoras; chamadas baseadas em Wi-Fi - e a capacidade de alternar entre eles; E RCS, planos de dados ilimitados, roaming global e muito mais.
 
Eventualmente, aos telefones Project Fi faltará apenas uma coisa - a capacidade de se conectar a uma rede de voz móvel.
 
Os smartphones não serão "telefones" e "computadores". Eles serão apenas "computadores". E toda a comunicação entre eles viajará pela internet.
 
As implicações são vastas: melhor qualidade, segurança e programabilidade para todas as comunicações empresariais.
 
Sim, o Google está aí para eliminar o seu telefone - e substituí-lo por algo muito melhor.