Tecnologia > Serviços

Com novas regras para vistos H-1B, Infosys anuncia contratação de 10 mil empregados nos EUA

Empresa anunciou também que vai abrir quatro novos centros de tecnologia e inovação no país, com foco em tecnologias como a IA, aprendizagem de máquina, experiência do usuário, nuvem e big data

03 de Maio de 2017 - 16h50

A Infosys, empresa indiana de serviços de TI, anunciou a contratação de 10 mil trabalhadores nos Estados Unidos nos próximos dois anos, em razão das mudanças realizadas pelo presidente Donald Trump nas regras no programa anual de vistos H-1B, que fornece vistos de trabalho temporário para funcionários altamente qualificados, incluindo muitas empresas de tecnologia.

A Infosys disse ainda que vai abrir quatro novos centros de tecnologia e inovação nos EUA, com foco em tecnologias de ponta como a inteligência artificial, aprendizagem de máquina, experiência do usuário, tecnologias digitais emergentes, computação em nuvem e big data.

A companhia prevê que o primeiro centro, que será instalado em agosto em Indiana, estado localizado na região Centro-Oeste do país, vai criar cerca de 2 mil empregos até 2021 para trabalhadores americanos, além de impulsionar a economia da região.

A empresa planeja contratar profissionais com experiência em tecnologia e recém-formados em grandes universidades locais e faculdades comunitárias. A Infosys também vai criar programas de treinamento em áreas como a experiência do usuário, nuvem, inteligência artificial, big data, tecnologias digitais e ciência da computação.

O número de empregados que a Infosys planeja contratar nos próximos dois anos é uma pequena porcentagem dos mais de 200 mil funcionários que tem em Bangalore, na Índia. A companhia oferece serviços em todo o mundo, principalmente a partir de unidades offshore, e tem sido muito criticada por tirar emprego de trabalhadores americanos com empregados de baixo custo na Índia.

Empresas como a Infosys, Tata Consultancy Services e Cognizant obtêm a maior parte dos vistos recorrendo ao “processo premium” (Premium Processing), processo acelerado para que seus funcionários recebam a aprovação do visto em até 15 dias, em vez do processo comum que pode levar alguns meses. O teto de vistos H-1B está fixado em 85 mil profissionais, dos quais 20 mil vagas são para graduados com especialização em escolas dos EUA. As empresas offshore com sede nos EUA e na Índia ficaram com metade dos 65 mil vistos H-1B reservados com base no teto.

A empresa indiana de software e serviços Nasscom, no entanto, alega que há um déficit de profissionais com formação em ciência da computação nos EUA. Mas tanto ela quanto as demais companhias indianas e outras empresas globais tendem a contratar localmente e minimizar a escassez de competências trazendo profissionais altamente qualificados para trabalhar temporariamente nos EUA.