Tecnologia > Internet das Coisas

Chips para data center e IoT garantem trimestre vigoroso à Intel

Vendas de chips para servidores para uso em data center, que registrou aumento de 7%, e para Internet das Coisas, que cresceram 23%, contribuíram para alta no lucro e receita da empresa no terceiro trimestre

27 de Outubro de 2017 - 21h30

Apesar do aumento da concorrência em seus principais mercados de chips para computadores pessoais e servidores corporativos aumentar seu lucro e receita no terceiro trimestre deste ano. O lucro líquido da fabricante de chip totalizou US$ 4,5 bilhões no período, cifra 34% maior na comparação com os US$ 3,3 bilhões registrados entre julho e setembro do ano anterior. A receita também teve alta, de 2,5%, totalizando US$ 16,1 bilhões, ante US$ 15,7 bilhões em 2016.

O resultado foi impulsionado pela unidade de data center, que inclui as vendas de chips para servidores para uso em computação em nuvem, que registrou aumento de 7% na receita, contabilizando US$ 4,9 bilhões, embora os maiores crescimentos de receitas tenham sido das unidades de semicondutores para Internet das Coisas (IoT) e memórias não voláteis, que aumentar 23% e 37%, respectivamente, para US$ 849 milhões e US$ 891 milhões. Essa tendência foi verificada também na divisão de chips programáveis, amplamente utilizados em torres de celulares e outras aplicações da indústria, que cresceu 10%, para US$ 469 milhões.

Durante teleconferência com analistas, Brian Krzanich, presidente-executivo (CEO) da Intel, disse que o desempenho financeiro da empresa reflete o desempeno da linha de produtos para as área de inteligência artificial, carros autônomos e outros. "Encerramos o terceiro trimestre com resultados sólidos em todas as linhas de negócio, e estamos no caminho certo para um ano recorde", disse Krzanich. "Nos sentimos bem com a transformação da Intel e no caminho certo em nosso plano de três anos."