Especial ITLEADERS 2017 > IT Leaders 2017

Chegou a hora de saber quem são os 100 Top IT Leaders de 2017

Nesta terça-feira, 05/12, a COMPUTERWORLD renova sua tradição de 17 anos com a nova lista dos maiores líderes de TI corporativa do Brasil

05 de Dezembro de 2017 - 16h16

Chegou a hora de saber quem lidera a transformação digital no Brasil. Nesta terça-feira, 05/12, a COMPUTERWORLD renova sua tradição de 17 anos e divulga a nova lista dos Top 100 IT Leaders 2017. Em um jantar de gala realizado em São Paulo, vamos premiar os homens e mulheres responsáveis pelo comando das áreas de tecnologia digital corporativa de grandes, médias e pequenas empresas do país.

Serão conhecidos e premiados os destaques de 18 verticais econômicas e também será revelado o Top IT Leader,  profissional de tecnologia da informação que ocupa a posição número 1 do ranking deste ano. Você pode ver a lista dos finalistas aqui. O evento tem a Wipro como patrocinador Master e como patrocinadores Platinum as empresas Cognizant, Equinix, Intel, Locaweb Corp, Rimini Street, SAS e UOLDiveo.

Mais uma vez, o estudo procurou mapear o dia a dia corporativo dos IT Leaders, suas aspirações e preocupações. Agora com foco no seu posicionamento e ações diante do cenário de Transformação Digital. O questionário foi acessado por mais de 300 CIOs e completado por 221 deles, dos quais 100 atingiram pontuação para figurar na lista dos líderes mais preparados para essa jornada de ruptura com o atual modelo de operação da TI.

Basta olhar para os 20 primeiros colocados para perceber que a digitalização dos negócios já impacta segmentos diversos. Não é um movimento isolado. Atinge verticais que trabalham diretamente com o consumidor hiperconectado, e que já começaram a responder às exigências desse novo cenário com o desenvolvimento de soluções digitais criativas e inovadoras, em alguns casos realmente pioneiras nas suas áreas de atuação.

A necessidade de mudança, em um cenário econômico em recuperação, explica o fato de pela primeira vez em seis anos o percentual de CIOs que declararam ter orçamentos maiores no próximo ano ter superado a casa de 60%. O número é 13 pontos percentuais maior que o registrado para 2017.

A pesquisa deste ano comprova que o CIO não é mais o lobo solitário da tecnologia, nem se sente o dono absoluto da inovação: 73% dos CIOs que responderam a pesquisa disseram que consideram a TI como facilitadora da inovação e 53% se declararam muito mais próximos e colaborativos dos CMOs de suas empresas. O envolvimento direto desses profissionais com os negócios fica evidente quando 76% deles declaram participar de reuniões com a diretoria da empresa para avaliar novas estratégias junto aos clientes.

E 73% informam que realizam reuniões periódicas com as áreas internas para entender as demandas e necessidades do negócio. Transformar os processos de negócio é a grande meta, junto com melhorar a experiência do consumidor.

Abraçando a ruptura

Agile, DevOps e Design Thinking são o novo normal, assim como mobilidade e nuvem. Os líderes de TI fizeram a lição de casa e estão tratando de mudar as práticas dos departamentos de tecnologia para criar sucessos rápidos para os seus parceiros de negócio. Segundo 64% dos CIOs, essa é a ação mais importante em 2018 para melhorar e ampliar o relacionamento com as demais áreas da empresa.

No radar tecnológico do próximo ano, Machine Learning e outros segmentos da Inteligência Artificial, assumem posição de destaque, com 70% deles interessados em investir em provas de conceito de aprendizado de máquina e 60% em sistemas cognitivos. Não por acaso, Big Data e Analytics, surpreendentemente, tomaram o lugar de Segurança entre as prioridades para 2018.

Pilotos de Blockchain e Internet das Coisas também já aparecem entre os planos de investimento para os próximos 12 meses. Motivar e treinar a equipe nessas novas tecnologias e em como usá-las em prol do negócio é a atividade considerada prioritária para a maioria dos respondentes, a qual eles gostariam de dedicar a maior parte do seu tempo. Não é para menos. Para 70% deles a principal preocupação é contratar, treinar e reter talentos. E 66% estão preocupados em prover conhecimentos de negócio para suas equipes.

Outra preocupação recorrente é em relação a integração dos novos serviços de TI com o legado: em 2016 ela tirava o sono de 45% dos CIOs. Hoje, esse índice subiu para 61%. Não por acaso, 83% deles responderam que o papel do CIO está se tronando cada vez mais desafiador. Em 2017, o cabo de guerra entre inovar e reduzir custo operacional concentrou as atenções: 82% disseram que o principal objetivo de negócios atendido pela TI foi na área de criação e revisão de processos de negócio para inovação e 73%, que a TI esteve envolvida em projetos de redução de custos operacionais da empresa.

Está cada vez mais difícil trocar o motor com a máquina da transformação já em movimento.

Para saber o nome de todos os finalistas, clique aqui.