Segurança > Aplicativos

Blockbit amplia portfólio como parte da estratégia para IPO até 2020

Fornecedora de produtos de cibersegurança anunciou a ampliação de seu portfólio com o lançamento de três produtos para o gerenciamento e proteção contra ameaças de segurança

31 de Agosto de 2017 - 18h52

Seguindo a estratégia de crescimento orgânico e por meio de fusões e aquisições com vistas à abertura de capital (IPO) até 2020, a Blockbit, fornecedora de produtos de cibersegurança, anunciou a ampliação de seu portfólio com o lançamento de três produtos para o gerenciamento e proteção contra ameaças de segurança.

O primeiro deles é a plataforma de proteção ativa para smartphones, o app Blockbit Mobile, que será disponibilizado gratuitamente em versão beta para smartphones Android. Ela protege usuários contra vulnerabilidades e ameaças críticas e prevenindo a perda de dados. Além de oferecer segurança contra possíveis malware, spyware e vírus, o Blockbit Mobile protege os smartphones contra tráfegos maliciosos em redes Wi-Fi e Bluetooth. O app pode ser usado para proteger usuários corporativos ou domésticos.

A outra novidade é o Blockbit Global Security Management, produto de gerenciamento centralizado, desenvolvido para atender a demanda do mercado de administração de múltiplos dispositivos de segurança de rede. O Blockbit GSM consolida e arquiva todos os registros de conexão, de acesso a aplicações de internet, de dados pessoais e de conteúdo de comunicações privadas.

O produto atende empresas que possuem múltiplas unidades organizacionais em ambientes independentes, permitindo a padronização das configurações de segurança dos dispositivos a partir de um ponto central. O Blockbit GSM também pode ser utilizado por prestadores de serviço de monitoramento de redes, podendo ser implementado diretamente no NOC (Centro de Operação de Rede) de integradores.

A empresa também anunciou a mais recente versão da sua plataforma de diagnóstico e análise de riscos, o Blockbit Vulnerability and Compliance Management (VCM). Desenvolvido para monitorar e gerenciar potenciais brechas de segurança, o produto identifica alterações em configurações de redes e dispositivos, atividades e tráfegos suspeitos e comportamentos indevidos dos usuários, aplicando as políticas de conformidade a todos os ativos de TI.

Os novos produtos, além responderem à sofisticação dos ataques cibernéticos atuais, são parte da estratégia de crescimento da empresa nos próximos anos. A Blockbit, que no ano passado registrou crescimento de 50%, espera dobrar o faturamento neste ano — de capital fechado, a companhia não divulga dados financeiros. De acordo com Eduardo Bouças, CEO global da empresa, nos primeiros oito meses deste ano o faturamento já superou o total obtido em todo o ano de 2016.

A Blockbit foi fundada em 2016, a partir da aquisição da BRconnection pelo grupo Cipher, Oria Capital e BNDES. Hoje, segundo Bouças, 90% dos negócios da companhia são provenientes da rede de cerca de 140 parceiros de negócios.