Mobilidade > Android, Smartphones

BlackBerry lança smartphone Android com foco em segurança

Chamado de DTEK50, aparelho começa a ser vendido nos EUA em agosto por US$300, bem menos do que o anterior Priv

27 de Julho de 2016 - 14h50

O primeiro aparelho Android da BlackBerry, o Priv, não era ruim. Mas apenas não oferecia o bastante para justificar seu preço de 700 dólares nos EUA. Se você ficou animado com os recursos de segurança, mas não com o preço (e não precisa de um teclado físico), está com sorte. A fabricante acaba de anunciar seu segundo smartphone Android e ele custa bem menos.

Chamado de DTEK50 (fácil de lembrar, hein?), o novo smartphone da BlackBerry com sistema do Google chega em 8 de agosto e terá preço sugerido de 300 dólares nos EUA, menos da metade do Priv.

As especificações lembram bastante as do Alcatel Idol 4 e incluem tela HD (1080p) de 5,2 polegadas, processador Snapdragon 617, da Qualcomm, câmeras traseira de 13MP e frontal de 8MP, 3GB de RAM, 16GB de armazenamento (expansível via microSD) e bateria de 2610 mAh.

Quando o assunto é software, a BlackBerry adicionou um pouco do seu “molho” para melhorar a segurança e a privacidade do dispositivo.

A empresa vai tão longe que afirma que o novo DTEK50 é “o smartphone Android mais seguro do mundo”, apesar de não ter nenhum afirmação de um órgão independente que ateste isso.

A BlackBerry destaca alguns recursos de segurança para apoiar a sua ousada afirmação, incluindo solução rápida de segurança, app para monitorar em tempo real a segurança do sistema e dos apps, processo de boot seguro, criptografia completa de disco com padrãoFIPS 140-2, entre outros.

Por que isso importa

Antes uma gigante do mercado mobile, a BlackBerry vem passando por momentos difíceis já há bastante tempo. O Priv deveria representar uma virada para a empresa, mas registrou vendas fracas. Ao pegar um design já existente e focar nos seus pontos fortes (segurança e gerenciamento), a BlackBerry pode ter um produto interessante em mãos. Resta saber se ainda dá tempo de os consumidores (re)descobrirem a companhia.