Tecnologias Emergentes > APIs

Banco Central cria laboratório de inovação para fintechs

Projeto terá participação da Microsoft que irá fornecer sua plataforma de nuvem Azure para projetos de fintechs

08 de Junho de 2017 - 12h08

O Banco Central vai liderar um pool que inclui o Banco do Brasil, Caixa Econômica, Serpro e provedores de serviço de nuvem para criação de um laboratório de inovação, com objetivo de apoiar o desenvolvimento tecnológico e a inserção de fintechs no sistema financeiro. O anúncio foi feito por Marcelo Yared, chefe do Departamento de Tecnologia da Informação (Deinf) do Banco Central durante o Ciab Febraban, que ocorre em São Paulo.

A Microsoft Brasil será uma das fornecedoras de nuvem que vai participar da iniciativa. Na verdade, o BC abriu a possibilidade para que provedores de serviço de nuvem participem do projeto e empresa se dispôs a colaborar fornecendo o ambiente Azure em regime de testes ou provas de conceito.

Segundo Gustavo Paro, executivo responsável pela área de serviços financeiros da Microsoft, a empresa vai fornecer o portfólio completo de serviços — de infraestrutura, plataforma e software (Iaas, Paas e SaaS). Ele diz que a empresa vê a participação no projeto como uma oportunidade para a acelerar a inovação na indústria financeira. “Hoje, um dos maiores empecilhos para as empresas migrarem para a nuvem são as aplicações legadas, devido à complexidade, e queremos dar nossa contribuição para facilitar esse processo”, diz.

A Microsoft vai fornecer os serviços de nuvem sem nenhum custo. A razão talvez seja a dimensão estratégica que o projeto representa para o crescimento do Azure no setor financeiro brasileiro. Hoje a principal instituição que utiliza a plataforma em nuvem da empresa é o banco espanhol Santander, por meio de um contrato global. “Na Europa, onde a regulamentação de uso de nuvem pelo sistema financeiro está mais avançada, há um número maior de bancos usando nossa plataforma”, justifica Paro.

A Microsoft tem mais de 100 data centers distribuídos pelo mundo, sendo que o Brasil é o primeiro país da América Latina e do Hemisfério Sul a ter centros dedicados ao Azure, ao Office 365 e ao Dynamics 365.