Tecnologias Emergentes > Inovação

Automação pode tornar plataformas de petróleo marítimas mais seguras

Risco em alto mar pode ser reduzido com análises feitas por robôs e sensores

07 de Maio de 2018 - 15h25

Plataformas de petróleo no mar podem ser lugares perigosos para se trabalhar, oferecendo situações de danos irreversíveis que resultam na morte de trabalhadores como explosões marítimas e desastres ambientais. Os avanços na tecnologia, principalmente em relação à automação, podem reduzir as chances de novos acidentes nesta indústria. Porém, as regulamentações até agora não conseguiram impedir a ocorrência de acidentes fatais.

Pequenas plataformas offshore são objeto de pesquisa para sistemas de monitoramento automatizados, que utilizam sensores sem fio para captar informações. Já há testes de robôs autônomos para monitorar equipamentos e inspecionar vazamentos de gás, por exemplo. Implementar o uso dessas tecnologias em regulações pode ser o primeiro passo.

Muitas regulamentações atuais, entretanto, ainda são baseadas em “documentos estáticos”. Isto significa que eles raramente são atualizados desde que foram introduzidos há décadas, e seguem existindo relativamente inalterados, sem demandas novas e soluções inovadoras.
Prevenção e automação

A recorrência de grandes desastres aponta que é necessário encontrar uma maneira melhor de prever e interromper acidentes antes que eles aconteçam. Uma abordagem radical, segundo artigo no The Next Web, pode ser confiar mais na automação. Os sistemas de monitoramento automatizados com robôs podem usar uma variedade dispositivos de sensoriamento remoto e gravação, tirando humanos do risco. Muitas abordagens já foram propostas, mas todas com o mesmo objetivo: prevenir a perda de vidas e patrimônio no mar.

Uma delas começa a ser testada ainda este ano. Uma plataforma de petróleo do Mar do Norte implantará o primeiro robô autônomo que se moverá em áreas específicas da plataforma, inspecionando visualmente o equipamento e detectando vazamentos de gás. O robô pode percorrer caminhos estreitos e subir escadas para realizar suas inspeções. O recurso será usado em áreas que são consideradas de alto risco para os seres humanos.

Atualmente, ainda é trabalho humano inspecionar vazamentos de gás, mas qualquer erro pode levar à morte de todos nas proximidades. Ao aplicar sistemas autônomos para monitorar vazamentos de gás, reduzimos o risco no momento da inspeção. Mas, mais do que isso, como os robôs automatizados podem inspecionar continuamente a plataforma, também espera-se que as falhas ocorram com menos frequência, sendo corrigidas a tempo.