Tecnologias Emergentes > I.A.

Assistentes virtuais começam a ganhar espaço nos escritórios

Saiba quais são os principais desafios e oportunidades para o avanço de recursos como Alexa, Siri e Google Assistente no ambiente corporativo

10 de Janeiro de 2018 - 11h57

Já faz seis anos que a Apple adicionou a Siri ao iOS e a voz tornou-se uma maneira fundamental de os usuários poderem interagir com a tecnologia. Nos anos seguintes, o Google Assistente e o Alexa também se estabeleceram como players relevantes na forma como gerenciamos uma miríade de serviços e dispositivos inteligentes - e a Cortana tornou-se parte integrante do PC. Mas embora os assistentes virtuais ativados por voz venham transformando o mercado de consumo, em smartphones, smartwatches, alto-falantes inteligentes e, a partir desta CES, uma série de dispositivos IoT inusitados, como espelhos e torneiras, eles ainda não conseguiram realmente ganhar espaço nos escritórios.

Isso não quer dizer que ainda não possamos realiza tarefas de trabalho usando esses assistentes virtuais. Muitos de nós dependem deles para tarefas rápidas, como agendar compromissos e responder a mensagens. A voz ainda não se tornou a interface mandatória no local de trabalho. Mas também está a caminho de ter alguma relevância também nos ambientes de trabalho.

No escritório, o uso dos assistentes virtuais ativados por voz já começa a ser impulsionado pela colaboração.

Sem dúvida, a voz já está na empresa, impulsionando a produtividade e os esforços de colaboração. Mas mesmo depois de mais de meia década no mercado, a voz continua em sua infância. A revolução que oferece está chegando, mas a confluência necessária de hardware, plataforma, aplicativos e fluxos de trabalho ainda não está disponível para capturar seu potencial.

Agora é o momento certo para os departamentos de TI e os desenvolvedores de aplicativos de negócios tomarem conhecimento da tecnologia e se prepararem para o seu uso.

Veja onde ele pode funcionar de forma realista agora.

A voz não é para todas as situações

As frases "escritório inteligente" ou "local de trabalho habilitado para voz" evocam imagens de dezenas de pessoas acessando sistemas por voz em todas as partes de um edifício, como personagens de Star Trek conversando com o computador da Enterprise . Isso não é realista. Por um lado, as realidades acústicas tornam este um grande desafio tecnicamente (e financeiramente), bem como um desafio para os usuários que tentam conversar com um assistente virtual e colegas de trabalho, ou ambos. Por outro lado, as equipes da nave espacial são frequentemente mostradas usando teclados, telas sensíveis ao toque e outras interfaces - a voz não é a única opção para elas, nem é necessariamente a melhor. Mesmo que os dispositivos Google Home e Amazon Echo possam reconhecer indivíduos pela voz, o recurso ainda não está apto a escalar para as grandes empresas em um futuro próximo.

Tudo isso significa que a voz será amplamente utilizada em dispositivos IoTpessoais, como já estamos fazendo, ou será mais provável que seja implementada em escritórios privados, cubículos e salas de reunião/conferência. Isso proporciona flexibilidade e simplifica para a implantação, já que os PCs, dispositivos móveis e wearables atuais habilitados para voz já podem gerenciar muitas interações. Dispositivos relativamente baratos podem preencher as lacunas em escritórios ou espaços colaborativos (pense em Google Home Mini ou EchoDot).

É tudo sobre aplicativos e APIs

A questão-chave sobre a voz não é onde nós vamos acessar o recurso, mas como vamos usá-lo. A resposta reside em aplicativos corporativos e nas APIs que os conectam.

Considere a seguinte tarefa, por exemplo:

"Envie a John os orçamentos do departamento de serviços no mês passado para que ele possa atualizar os gráficos nos slides 3 e 4 do PowerPoint para a reunião do departamento da próxima semana " .

Embora pareça um pedido relativamente simples, ele se divide em múltiplos comandos: iniciar uma nova mensagem para a pessoa certa; localizar os arquivos relacionados e incluí-los (ou um link para eles) na mensagem; adicionar instruções para os dados a serem atualizados; marcar slides individuais para destacar o que precisa ser atualizado; e anexar um convite para a reunião.

Dependendo das ferramentas em uso no local de trabalho, isso poderia facilmente abranger quatro aplicativos diferentes e depender de recursos locais, de rede e de nuvem. Todos esses aplicativos e recursos precisam ser capazes de interagir, embora nem tudo necessariamente precise ser ativado por voz para que a tarefa seja feita.

A maioria das interações de voz se decompõe em fluxos de trabalho similares, on-the-fly, que podem ser relativamente simples ou extremamente complexos.

Se você configurou as ações da casa inteligente usando o HomeKit da Apple, provavelmente você está familiarizado com o conceito de "cenas" que permitem criar fluxos de trabalho semelhantes que se estendem por vários dispositivos - "Estou saindo" significa desligar todas as luzes , ajustar o termostato e bloquear as portas, por exemplo.

Configurar fluxos de trabalho usando IFTTT (If This, Then That) é um bom exemplo da construção de um conjunto de comandos para entregar ações complexas por meio de disparadores simples em dispositivos, aplicativos e serviços. O desafio (e potencial) para assistentes ativados por voz na empresa está criando uma estrutura que constrói tais fluxos de trabalho.

A cola para fazer tudo isso será o reconhecimento de voz: a plataforma de escolha, os aplicativos necessários para o sucesso e as APIs que permitem a troca de comandos, informações e resultados. As "habilidades" da Alexa demonstram o que isso parece em casa; os recursos são adicionados como aplicativos e simplesmente se tornam parte do repertório tanto para o ambiente do dispositivo quanto para os usuários desse dispositivo em particular. Pense nas habilidades como blocos de construção.

Para os locais de trabalho, isso significa desenvolver aplicativos que possam trabalhar com um ecossistema de voz selecionado e interagir uns com os outros quando necessário e disponibilizá-los em uma loja de aplicativos corporativos.

Um grande desafio para TI será elaborar uma estratégia que atenda múltiplas plataformas e se estenda por múltiplos limites - tipo de dispositivo, sistema operacional, nuvem, provedores de aplicativos, aplicativos individuais e workouts individuais. Também pode ser preciso cruzar limites de linguagem e dialetos. Simplificando, usar tarefas de voz para trabalho precisará ser bem pensado e testado ativamente.

Uma voz ou muitas?

Outro problema crítico: uma única plataforma de voz ou assistente virtual será suficiente, ou uma empresa precisará suportar uma mistura - digamos Siri, Cortana e Google Assistente?

Há desafios e oportunidades. Com exceção da Siri, as plataformas de voz se estendem a dispositivos e sistemas não-nativos. Mas enquanto a Alexa, a Cortana e o Google Assistente existem no Windows, Android e iOS, suas capacidades variam. Nessas diferenças na capacidade também variam dentro de uma plataforma nativa por versão do sistema operacional. É algo que pode afetar o Google, em particular, devido à fragmentação inata do Android .

Se várias plataformas de voz e assistente forem ativamente suportadas, as áreas de TI serão desafiadas a não só definir e implementar uma estratégia, mas também descrevê-la e documentá-la para usuários. Na verdade, isso pode, em última instância, ser o fator decisivo em saber se a voz e seu futuro potencial colaborativo terão condições de vingar como mais uma interface na empresa. Tal como acontece com uma estratégia de aplicativos corporativos, a adoção do usuário será uma medida crítica para o sucesso.

A voz está pronta para o horário nobre das empresas?

Sem dúvida, a voz já está na empresa, impulsionando a produtividade e os esforços de colaboração. Mas mesmo depois de mais de meia década no mercado, a voz continua em sua infância. A revolução que oferece está chegando, mas a confluência necessária de hardware, plataforma, aplicativos e fluxos de trabalho ainda não está disponível para capturar seu potencial.