Aplicações > Aplicativos

Apple: o que fazer para melhorar a Siri?

Lançamento do alto-falante HomePod volta a destacar os problemas da plataforma rival da Amazon Alexa e do Google Assistente

12 de Fevereiro de 2018 - 15h32

O alto-falante inteligente HomePod foi lançado pela Apple na última sexta-feira (9/2) e, com isso, ainda mais atenção está sendo colocada sobre a Siri, a assistente de voz da empresa que funciona como a interface principal do dispositivo.

Os primeiros reviews do HomePod publicados pela imprensa dos EUA sugerem que o aparelho é um ótimo alto-falante cuja vida é dificultada pelas limitações da Siri.

Ainda não usei o HomePod, por isso não posso falar especificamente sobre o alto-falante, mas como uma pessoa que possui muitos aparelhos da Apple, me parece que a Siri poderia mesmo ganhar algumas melhorias. Por isso, vamos deixar os detalhes do HomePod de lado por um momento e pensar no quadro maior. Para a onde a Siri precisa ir a partir de agora?

Correções

Quando perguntei a diversos usuários dedicados da Apple o que eles gostariam de mudar na Siri, acabei me deparando com uma longa lista de queixas.

Ninguém sabe mais sobre as falhas de um software do que os seus usuários mais dedicados. E sim, uma das maneiras para a Siri evoluir é polir as suas partes mais ásperas.

Fiquei surpreso que muita gente me revelou ficar incomodada com as respostas “engraçadinhas” da Siri aos seus comandos. A Apple aparentemente pensa que todos adoram quando a Siri faz piadinhas ao responder às perguntas dos usuários.

Se isso for basicamente uma questão de gosto pessoal, a resposta seria uma opção que permite a um usuário configurar a Siri para que ela responda de forma mais direta. É uma opção que já usei no excelente aplicativo de clima Carrot Weather, que, por padrão, exibe informações sobre o clima com uma boa dose de atitude. Algumas pessoas gostam disso, mas eu odeio – e felizmente posso simplesmente desabilitar essa opção. Algumas pessoas não querem "personalidade" nos seus assistentes pessoais.

Como foi exposto nos primeiros reviews do HomePod, a Siri não oferece suporte para a criação de múltiplos timers, o que é um problema – especialmente se você estiver cozinhando. O recurso mais usado nos alto-falantes Amazon Echo são justamente os timers, acredite ou não. É incrivelmente útil poder usar comandos desse tipo com a sua voz enquanto você está se movendo pela cozinha para preparar um ou mais pratos, e a Siri se beneficiaria desse recurso em todas as suas plataformas.

Dependendo dos nomes das pessoas na sua casa, a frase de ativação Hey Siri” também pode ser acionada acidentalmente com uma frequência frustrante. E que tal uma ou duas frases alternativas de ativação? A Amazon, por exemplo, te permite ativar a Alexa ao dizer outras palavras além do nome da sua assistente, incluindo “Amazon”, “Echo” e “Computer”.

Outra frustração é a incapacidade de usar a Siri sem uma conexão com a Internet. Antes da existência da assistente da Apple, o iPhone oferecia controles de voz extremamente limitados, te permitindo usar sua voz para controlar a reprodução de músicas, por exemplo. Estou fora da Internet, mas mesmo assim não deveria ser possível instruir o meu smartphone a reproduzir uma playlist específica? Ou abrir um aplicativo? Isso não me parece muito certo.

Contexto

A Apple reduziu as chances de uma pessoa que não é você ativar a Siri nos seus aparelhos ao adicionar um recurso de treinamento de voz. No entanto, a empresa ainda não permite que várias pessoas treinem a assistente – e com isso a Siri consiga reconhecer quem está falando e então molde suas respostas de acordo com isso.

Com aparelhos pessoais, como iPhone, iPad, Apple Watch e Mac, isso não é um grande problema. Mas com o HomePod, que não é um aparelho pessoal (a não ser que você more sozinho, talvez?), é algo muito ruim. No mínimo, a Siri deveria conseguir detectar quando o dono da conta conectada está falando e fornecer mais dados para ele do que para qualquer outra pessoa.

Mas idealmente todas as pessoas deveriam poder se conectar com as suas próprias contas nos aparelhos. Assim se a minha esposa pedir para a Siri adicionar um item à agenda ou lista de coisas a fazer dela, a assistente fará isso – em vez de adicionar esse item às minhas listas, por exemplo.

No geral, a Siri (e, para ser justo, a maioria dos seus rivais) é muito ruim em entender o contexto. Esse é um problema difícil de resolver, mas é algo que precisa ser solucionado. A Siri deveria saber com quem está falando, não apenas para associar uma Apple ID com aquela pessoa, mas para lembrar o contexto das conversas anteriores.

Uma parte disso envolve informações básicas de sequência (follow-up): se eu perguntar para a Siri sobre o placar de uma partida de basquete e tiver o app da NBA instalado, talvez ela devesse me perguntar se eu quero ouvir o jogo pelo app. Ou caso ela não ofereça essa opção, talvez se eu pedir “Você pode reproduzir o áudio dessa partida?”, a assistente então lembre do jogo sobre o qual falamos e inicie o streaming da NBA.

E meia hora depois, se eu perguntar “Qual foi o placar daquele jogo?”, a Siri deverá saber o que eu quero dizer, qual era o placar na última vez que eu perguntei, e então me dar uma atualização.

Outro exemplo: se enviar uma mensagem por voz para a minha esposa enquanto estou dirigindo, gostaria de poder perguntar para a Siri cerca de 15 minutos depois se ela visualizou a mensagem. Ou mesmo pedir para a Siri enviar a mensagem e me avisar quando ela for visualizada.

Apps e serviços web

O recurso mais poderoso do Amazon Echo não está na própria plataforma da Amazon, mas no fato da empresa ter feito muitas parcerias com apps e serviços de terceiros, além de "abrir as portas" da Alexa com um mercado de habilidades externas.

A Apple fez uma tentativa muito leve de introduzir suporte para a Siri a partir de apps de terceiros por meio do chamado SiriKit. Mas, dado o poder dos apps para iOS e a popularidade da App Store, o SiriKit poderia receber uma expansão e tanto. Recursos óbvios como reprodução de mídia – você ainda não pode controlar apps como Overcast ou Pandora pela Siri – ainda estão ausentes da assistente da Apple.

Mas a paleta da Siri pode ser dramaticamente expandida se a Apple abrir a assistente para serviços web e não apenas para apps que vivem dentro de um aparelho iOS. Seguindo o estilo da empresa, no entanto, uma iniciativa do tipo não aconteceria por meio de um mercado aberto de habilidades como a Amazon fez. Em vez disso, presumo que as integrações web da Siri precisariam ser aprovadas pela Apple antes de serem colocadas em uma espécie de “App Store da Siri”.

Pense em como os seus aparelhos iOS são poderosos por conta dos aplicativos de terceiros. Agora imagine esses dispositivos limitados apenas aos aplicativos da Apple e a uma seleção muito pequena de apps de caronas, anotações e fitness. É basicamente onde a Siri está no momento. O meu Amazon Echo possui acesso a uma seleção incrível de serviços, sendo alguns deles abençoados pela Amazon e outros não. Muitos deles são porcarias? Com certeza. A Apple não opera desse jeito. Mas como acontece com a App Store, há uma maneira de abrir a Siri para desenvolvedores e serviços de fora sem sacrificar o controle sobre a plataforma.

Por fim, pense em como a Siri ficaria mais poderosa nos nossos aparelhos se os usuários pudessem usá-la em tarefas que consideram. A Apple comprou o app de automação para iOS Workflou há algum tempo; não seria ótimo se fosse possível usar um sistema no estilo do Workflow para treinar a Siri para realizar fluxos de trabalho específicos para nós?

A introdução da Siri deu o pontapé inicial para a era moderna de assistentes por voz, mas ainda estamos nos dias iniciais. Não importa realmente quem está à frente agora, já que daqui a alguns anos vamos olhar para os serviços disponíveis hoje e rir de como eles eram incapazes. O desafio da Apple é continuar avançando a Siri, tornando-a mais poderosa e flexível. Desta forma, os usuários dos aparelhos da empresa podem ter confiança em falar com os seus dispositivos, sabendo que receberão ajuda em troca – e não frustração.