Tecnologias Emergentes > Certificação

Apesar de terem a transformação digital como prioridade, empresas ainda usam pouco e-Signature

Estudo mostra que, embora 94% das empresas afirmem estar bem preparadas para operar como um negócio digital, muitas ainda utilizam o método tradicional de assinaturas em papel, em vez da assinatura eletrônica

29 de Setembro de 2017 - 17h23

Embora a transformação digital esteja no topo da escala de prioridades da esmagadora maioria dos gestores empresariais, o uso de papel nas operações diárias ainda é grande nas empresas no mundo todo, o que traz consigo uma série de desvantagens, tais como dificuldade de arquivamento adequado, falta de espaço, perda ou extravio de documentos vitais para o negócio. Isso sem contar no tempo gasto com operações como envio e recebimento da papelada.

Uma pesquisa global realizada pela DocuSign, empresa especializada em assinatura eletrônica de documentos e certificação digital, revela que 97% dos chamados tomadores de decisão classificam a transformação digital como a principal prioridade, sendo de 94% deles afirmam estar bem preparados para operar como um negócio digital.

De acordo com 55% desses decisores, os C-suites (CEO, CFO, CIO, CMO e CSO) são os responsáveis por coordenar a transformação digital. E o motivo para abraçarem a transformação digital é, de modo geral, a busca por maior velocidade e agilidade nas operações e aumentar a segurança.

Apesar dessa conscientização, o estudo mostra que muitas empresas ainda utilizam o método tradicional de assinaturas em papel, em vez da assinatura eletrônica (e-Signature), para aprovações e contratos e chancela de documentos.

A pesquisa da DocuSign mostra que essa resistência por parte de algumas empresas perdura ainda que seus funcionários se mostrem descontentes com a necessidade de preenchimento de vários formulários em papel. Nada menos que 54% dos empregados se disseram preocupados, principalmente com duração do processo em papel.

O receio da perda de dados sensíveis e com a perda futura de documentos administrativos importantes são apontadas pelos empregados como outas preocupações em relação à conclusão de transações importantes em papel. Além disso, 68% deles disseram não se sentir confortáveis em enviar documentos importantes em papel através de posts. Por isso talvez, 97% dos trabalhadores entrevistados revelaram ter grandes expectativas com os métodos digitais de assinatura e compra de produtos.

O estudo constatou que a principal barreira apontada pelos tomadores de decisão para a adoção da e-Signature é o preço das soluções. Mas de acordo com o CEO global da DocuSign, Daniel Springer, embora o preço possa ser uma barreira, a adoção de assinatura eletrônica requer uma grande mudança de cultura, de comportamento de pessoas, este, segundo ele, talvez o principal obsstáculo. 

“As pessoas ainda têm uma preocupação de confiança em relação à assinagtura eletrônica, mesmo que não gostem necessariamente do processo em papel. Muitos também não têm certeza de que vão se adaptar ao processo eletrônico. Há também questões envolvendo a parte legal. Mesmo que lhes digam que existe uma assinatura eletrônica legal, muitos não tem certeza sobre isso. Então, eu diria a questão comportamental é a maior barreira”, enfatiza o executivo.

Springer acredita, no entanto, no crescimento da adesão à e-Signature, já que, além de permitir que elas enviem, assinem e gerenciem documentos e coletem pagamentos, de forma 100% digital, a qualquer hora, de qualquer lugar e em qualquer dispositivo, de forma rápida e segura, ela também facilita a jornada de transformação digital das empresas.