Gestão > Estratégia, Inovação

Apenas 15% dos CIOs investem em tecnologias emergentes

Estudo da Deloitte indica que somente 16% dos orçamentos de TI são dirigidos para esforços de inovação

08 de Janeiro de 2016 - 14h25

A inovação e o crescimento são as principais prioridades de negócio para os CIOs, certo? Porém, apenas 16% dos seus orçamentos são dirigidos para esforços de inovação, indica a Deloitte. Além disso, somente 15% dos gestores entrevistados pela consultoria no “2015 Global CIO Survey: Creating legacy” destina recursos às tecnologias emergentes (que poderiam contribuir efetivamente para a inovação e crescimento).

A maior fatia do orçamento de TI (84%) é gasta na execução das operações diárias e em mudanças incrementais. Num momento em que emergem novos ecossistemas empresariais, segundo a organização, e em que os executivos de topo estão cada vez mais interligados, os CIOs tentam encontrar um equilíbrio entre a inovação e a eficácia operacional. Querem também melhorar as suas relações com os seus pares nas empresas.

“À medida que os ecossistemas empresariais evoluem, espera-se que os gestores de tecnologia adotem e antecipem o ritmo de mudança, bem como o seu impacto nas necessidades tecnológicas da organização”, afirma Cristina Gamito, responsável pelo estudo na Deloitte. Ela considera que “os executivos C-Suite vêem hoje, mais do que nunca, o CIO como um líder preparado para concretizar as prioridades globais de negócio através de soluções tecnológicas escaláveis e investimentos inteligentes”.

A hierarquização de prioridades e o acesso a financiamento adequado estão normalmente dependentes da relação com os restantes executivos de topo nas organizações e representam um desafio significativo para a realização de investimentos. Cerca de 70% dos CIOs ouvidos no estudo afirmaram ter excelentes ou muito boas relações com os CFOs, tendo 51% afirmado o mesmo relativamente aos CEO.

Mas apenas 42% se identificam como colíderes ou empreendedores na estratégia empresarial. Neste sentido, três em cada quatro CIOs afirmaram que as tecnologias digitais e analíticas terão um impacto significativo nas suas empresas.

Ainda assim, vários executivos revelaram encontrar dificuldades na obtenção de financiamento contínuo para investimentos anteriores e essenciais que serviriam de base para o crescimento e a inovação.

Alinhados a grandes prioridades

O estudo demonstra que em organizações de grande e pequena dimensão, os CIOs partilham cinco prioridades empresariais que estão directamente relacionadas com o seu negócio:

‒ desempenho (48%);
‒ inovação (45%);
‒ clientes (45%);
‒ custos (45%);
‒ crescimento (44%).

Prioridades por setor

‒ 58% dos CIOs da indústria de telecomunicações e serviços financeiros indicaram a inovação como a principal prioridade para a sua atividade, tendo 50% identificado estes aspectos também como prioridades de negócio;

‒ O desempenho é uma prioridade para os CIOs das indústrias de consumo, fabril, saúde. Mais de metade destes profissionais mencionou que este elemento é também uma prioridade de negócio;

‒ O custo é o elemento dominante nas agendas dos CIOs das verticais de governo e utilities;

De uma forma geral, os CIOs estão prestando mais atenção aos ecossistemas nos quais os negócios de suas companhias se desenvolvem e que são mais abrangentes. Esta é a razão apontada pelo estudo para que mais de metade dos CIO tenham escolhido uma prioridade diferente das três principais prioridades aplicáveis ao respetivo setor onde atuam.